quarta-feira, 27 de julho de 2011

Mons. Manuel Amorim

A minha evocação

O Mons. Manuel Amorim, que só veio para o Liceu em 1991, dois anos após ele mudar de nome, para Escola Secundária de Eça de Queirós, era cerca de 20 anos mais velho que eu; ensinou lá até 2000; convivi longamente com ele, pois era de conversa agradável e culta, e todos, jovens ou de mais idade, sentiam prazer em ouvi-lo.
Durante anos, escrevemos para o mesmo jornal, O Notícias da Póvoa de Varzim; na Escola colaborámos nuns colóquios que lá promovi e a que ele deu oportuna e sábia participação (colaboraram também a Prof.ª Conceição Nogueira e o Prof. António Azevedo). Alguns dos temas foram depois apresentados na Filantrópica.
Em 2001, ele falou de «O Dr. Sacra Família – um pedagogo poveiro miguelista». Recordo que uma professora de Inglês, que tinha ido muitas vezes a Inglaterra, ficou então muito surpreendida ao saber que o Dr. Sacra Família estivera na origem duma diocese católica nos arredores de Londres.
Um outro tema que o Monsenhor tratou foi o das origens da Póvoa e do senhorio que sobre ela deteve D. Afonso Sanches, fundador do Mosteiro de Santa Clara de Vila do Conde, tema que desenvolve na sua Póvoa Antiga.

Mons. Manuel Amorim

O Mons. Manuel Amorim escrevia muito bem, com graça e com leveza; e tinha prazer em falar. Sobre isto paga a pena lembrar o que lhe ouvi uma vez na Casa da Memória da Póvoa: contava ele que, ao tempo em que passara pela Câmara da Póvoa de Varzim, quando precisava de alguém para uma intervenção cultural pública, se dirigia sempre a certo poveiro. Um dia, agradecia-lhe o Monsenhor a disponibilidade quando ele retorquiu: “Isto é como uma doença: cura-se falando”. O dito podia sem dúvida aplicar-se ao Monsenhor.

Biografia

Servindo-me dum texto que vem na última edição de A Póvoa Antiga, vou apresentar uma breve biografia e a lista das obras do Monsenhor. À biografia e à lista vão ser feitos alguns acertos e acrescentos.
O seu nome completo era Manuel José Gomes da Costa Amorim e nasceu em 23 de Setembro de 1930 no lugar da Giesteira, Póvoa de Varzim. Frequentou a Escola Primária do Conde de Ferreira no Largo das Dores. Em 1941 ingressou nos seminários Diocesanos de Braga, onde se ordenou sacerdote em 15 de Agosto de 1953. Iniciou a carreira eclesiástica como coadjutor do Pároco de Fafe, sendo em Setembro de 1954 nomeado Pároco de Touguinha e Argivai, do Arciprestado de Vila do Conde e Póvoa de Varzim, e transferido para a Paróquia de Beiriz, do mesmo arciprestado, em Outubro de 1956; aí se manteve ao serviço como pároco até ao seu falecimento. Entre 1993 e 1998 exerceu o cargo de Arcipreste e em Agosto de 1995, por proposta do Arcebispo de Braga, foi aceite entre o número dos capelães do Papa João Paulo II, donde lhe adveio a dignidade de Monsenhor.
Em Outubro de 1954 foi nomeado professor de Educação Moral e Religiosa Católica para a Escola Secundária de Rocha Peixoto e aí continuou até 1976, ano em que suspendeu a actividade lectiva. Por convite dos Superiores hierárquicos voltou ao ensino em 1983, leccionando na mesma área, agora na Escola Secundária de José Régio, de Vila do Conde. Em 1985 regressa à Escola Secundária de Rocha Peixoto e em 1990 concorre à vaga de efectivo na Escola Secundária de Eça de Queirós, da Póvoa de Varzim, donde se aposentou no ano 2000.
Prestou à Comunidade Poveira outros serviços, desde dirigente desportivo – Varzim Sport Club, nas épocas de 1962-63 –, passando pelo serviço autárquico, como Vereador do Pelouro da Cultura entre 1964-67, até Presidente da Assembleia-Geral da Cooperativa Agrícola e Leiteira da Póvoa de Varzim na década de 70.
Ainda nos anos cinquenta aparece na imprensa como noticiarista, mas é após a sua passagem pela Câmara que vai dedicar-se à investigação da história local: publica na imprensa os primeiros frutos desse labor e colabora assiduamente no Boletim Cultural que a Câmara da Póvoa de Varzim, por sua iniciativa, em 1964, passou a reeditar sob a direcção do Dr. Flávio Gonçalves, depois de vários anos suspenso. Com a morte de Flávio Gonçalves (1987) tomou, por convite da Câmara, a direcção daquela revista, que manteve, regularmente, a sua publicação até ao presente.
Exprimindo a gratidão pelos múltiplos serviços que, como autarca, professor e investigador da história local, prestou à Póvoa de Varzim e ao seu concelho, a Câmara Municipal deliberou atribuir ao Mons. Manuel Amorim, em 24 de Junho de 1995, a Medalha de Reconhecimento Poveiro.
Faleceu em 7 de Maio de 2006.

A obra mais notável do Mons. Manuel Amorim será porventura o sábio livro Póvoa Antiga.

Obra

No Boletim Cultural, o Monsenhor desenvolveu pelo menos os seguintes temas:

1969-72 - «Duzentos e cinquenta anos da vida da freguesia de Santa Eulália de Beiriz».
1973 - «Os Bonitos de Amorim. Primeiro capítulo da história de uma família benemérita».
1973-74 - «A Vila de Rates no século XVIII».
1980 - «Sobre a condição de poveiro atribuída a um Bispo de S. Paulo».
1981 - «Um emigrante de Beiriz fundador da cidade de Icinha (Espírito Santo - Brasil)».
1984 - «Uma pendência entre a Madre Abadessa de Vila do Conde e os Comerciantes da salga da Póvoa de Varzim».
1987- «O caderno de Alves Anjo (1822-1830). Subsídios para a história do nosso Hospital».
1989 - «Flávio Gonçalves, historiador poveiro».
1990 - «Amador Álvares, piloto da carreira das Índias».
1991- «Camilo e Sena Freitas. Uma amizade que a Póvoa viu nascer».
1992 - «A Companhia de Jesus na Póvoa de Varzim – I».
1993 - «Os antigos Paços do Concelho da Póvoa de Varzim».
1994 - «As Visitações à Paróquia de S. Pedro de Rates».
1995 - «O Nascimento e o Baptismo de Eça de Queirós».
1996-1997 - «A Companhia de Jesus na Póvoa de Varzim – II».
2000-01 - «As anotações às “Correcções da História Local” de Fernando Barbosa».
2002 - «A Companhia de Jesus na Póvoa de Varzim» e «O Culto Mariano no Arciprestado de Vila do Conde e Póvoa de Varzim».
2003 - «A Vila de Rates no tempo de Tomé de Sousa».

Para além destes trabalhos, que nalguns casos saíram depois em volume, registam-se outros editados em revistas ou por iniciativa particular. Deles se destacam:

1972 - «A Igreja Paroquial de Beiriz. Notícia histórica comemorativa do seu 1º Centenário (1872-1972)».
1978 - «As últimas obras do mosteiro de S. Simão da Junqueira».
1977 - «Apontamentos para a história da nossa Corporação de Bombeiros».
1983 - «Aver-O-Mar e a sua Igreja».
1987 – «Confraria de Nossa Senhora do Rosário. Memória do tricentenário (1686-1986)».
1988 - «A antiga Colegiada de Vila do Conde».
1989 - «A Paróquia e os Párocos de Santa Maria de Terroso».
1990 - «S. João Baptista, uma devoção de Camilo?»
1995 - «O Concelho da Póvoa de Varzim. Freguesias. Súmulas».
1985 - «A Póvoa Antiga. Dois estudos sobre a Póvoa de Varzim, Séc. X-XVI».

Nestas listas não se contêm os muitos artigos que publicou na imprensa poveira e no jornal paroquial de Beiriz.

Em 2003, foram editados dois livros seus, o longo estudo A Póvoa Antiga. Estudos sobre a Póvoa de Varzim, séculos X-XVI e O Culto Mariano no Arciprestado de Vila do Conde e Póvoa de Varzim.

Sem comentários:

Enviar um comentário